HUMANOS, ANIMAIS E EMBRIÕES: QUEM É MEIO E QUEM É FIM NA PESQUISA CIENTÍFICA?

Marco Antônio Azevedo

Resumo


Quem deve ser tomado sempre e incondicionalmente como fim na pesquisa científica? Seres humanos. Poderíamos concluir disso que embriões de laboratórios também são fins em pesquisas, já que são humanos? E quanto aos animais? Podemos tratá-los como meios, e não igualmente como fins? Neste ensaio, procurarei argumentar em favor da tese de que humanos e animais, em um sentido a ser clareado, podem ser tomados como fins em pesquisa, mas que embriões, não. Embriões são seres humanos em potência, o que os torna importantes para nós que somos seres humanos reais. Animais, porém, não são animais apenas em potência, já que o são em ato. Ora, se animais puderem portar interesses, então é razoável tomá-los como portadores potenciais de direitos. Assim, embora não sejam portadores de direitos iguais aos humanos, no que diz respeito ao menos à pesquisa científica, animais têm interesses que podemos admitir como dignos de consideração. Embriões, contudo, importam-nos apenas pelas consequências prejudiciais que sua manipulação poderia ocasionar aos nossos direitos ou interesses atuais. Embriões, como tais, não possuem interesses demandáveis; logo, embriões são seres, ao menos ainda, incapazes de portar direitos.


Referências


ANSCOMBE, G. E. M. Human life, action and ethics. Eds. GEACH, M. & GORMALLY, L. Imprint Academic, 2005.

ARISTÓTELES. The complete works of Aristotle (Volume Two). BARNES, J. (ED). Princeton University Press, 1984.

FEINBERG, J. The rights of animals and future generations. In: BLACKSTONE, William (Ed). Philosophy and Environmental Crisis. Athens, Georgia: University of Georgia Press, 1974. Disponível em página da internet em: . Acesso em 30/06/2006.

FERNANDES, M., GOLDIM, J. R., MARTINS-COSTA, J. Lei de Biossegurança – Medusa Legislativa? Jornal da ADUFRGS, (134): 19-21, 2005.

GAUTHIER, D. Morals by agreement. Oxford Press, 1987.

HART, H.L.A. The concept of law. Oxford Press, 1994.

HAYEK, F. Law, legislation and liberty, (Volume I Rules and Order). The University of Chicago Press, 1983.

HOBBES, T. O Leviatã. São Paulo: Abril Cultural [Os Pensadores], 1983.

HOHFELD, W. N. Fundamental legal conceptions as applied in judicial reasoning. Union, New Jersey: The Lawbook Exchange, 2000.

KANT, I. Fundamentação da metafísica dos costumes. Lisboa: Edições 70, 1988.

MACKIE, J. L. Ethics, inventing right and wrong. Penguin Books, 1977.

NIETZSCHE, F. A genealogia da moral. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

PATTERSON, D (Ed.). Philosophy of law and legal theory. Blackwell Publishing, 2003.

SINGER, P. Ética prática. Martins Fontes, 1980.

THOMSON, J. J. The realm of rights. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1990.

WELLMAN, Carl. A Theory of Rights: Persons Under Laws, Institutions, and Morals. Rowman and Allanheld, 1985.

WENAR, Leif. Rights, The Stanford Encyclopedia of Philosophy. ZALTA, Edward N. (ed.), URL = https://plato.stanford.edu/archives/fall2015/entries/rights/.

RAZ, Joseph. The Morality of Freedom. Oxford University Press, 1988.

WILLIAMS, B. In the beginning was the deed. Princeton University Press, 2005.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

.........................................................................................................................................................................................................................

INDEXADA EM:

 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusiva dos autores.

Não há custos de publicação e leitura, mas doações são bem vindas.

Todos os custos são cobertos pelo Centro Universitário Franciscano.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.