AMOR, MEMÓRIA E ESQUECIMENTO EM CERIMÔNIAS DO ESQUECIMENTO

Everton Almeida Barbosa

Resumo


Este artigo tem por objetivo fazer reflexões sobre a memória e o esquecimento no romance Cerimônias do Esquecimento, de Ricardo Guilherme Dicke, a partir de um episódio específico do romance: o discurso de uma prostituta sobre o amor. A ênfase, a partir de Le Goff, Detienne e Janet, é a seletividade da memória e a verdade como produto da relação entre revelação e ocultação. Vinculada a esta, outra dualidade estabelecida é entre o natural e o social, constituído pela memória. A ideia aqui é, a partir do discurso sobre o amor carnal, vincular o esquecimento ao domínio do natural, sendo este o âmbito do instinto latente que influencia e subverte construções complexas e hipócritas da sociedade.

Referências


DETIENNE, Marcel. Os mestres da verdade na Grécia arcaica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.

DICKE, Ricardo Guilherme. Cerimônias do Esquecimento. Cuiabá: Editora da UFMT, 1995.

TORRANO, Jaah. O mundo como função de musas. In: HESÍODO. Teogonia. São Paulo: Iluminuras, 1992.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Editora da Unicamp, 1994.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


OUTRAS PUBLICAÇÕES DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO

 

Artes, Letras e ComunicaçãoCiências da SaúdeCiências HumanasCiências Naturais e Tecnológicas

Ciências Sociais AplicadasThaumazeinVidya

.........................................................................................................................................................................................................................

INDEXADA EM:

 

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusiva dos autores.

Não há custos de publicação e leitura, mas doações são bem vindas.

Todos os custos são cobertos pelo Centro Universitário Franciscano.


Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.